terça-feira, 3 de agosto de 2010

As nossas fotos

Vira e mexe, me pego gastando muitos minutos em fotos de pessoas que mal fazem parte do meu cotidiano, admirando-as, sonhando em estar naquele contexto, cobiçando aquela vida. É como se eu entrasse em transe. Quando me dou conta, não chequei os emails ou não vi as atualizações que queria ver, e aquelas fotos, ou melhor, este meu ato contemplativo só me fez mal.

Geralmente são cenas de casais felizes, com uma luz mais amarelada ou então uma foto em preto e branco, em alguma praia ou montanha, cenário de uma viagem. As pessoas da foto sorriem, estão bem, tem dinheiro e não tem com o que se preocupar. Viajam bastante livremente colecionando fotos, kms, carimbos nos passaportes... e por aí vai a minha imaginação.

Daí volto o meu pensamento para as fotos que tenho com o meu marido. Tento lembrar das fotos de viagens. Não viajamos muito. Nossa máquina não é muito boa então não tem aquela luz perfeita amarela. E mesmo as fotos que estamos juntos, sorrindo, parecem não ter aquele glamour das fotos alheias. Porquê?

Isso, por mais infundado que pareça, já foi motivo de pequenas crises na minha vida. Confundindo o imaginário com o real passei a questionar "itens" de um relacionamento de mais de cinco anos baseada simplesmente em fotos de pessoas quase estranhas, sorrindo, que para mim, por um lapso, se tornaram o maior exemplo de matrimônio.

Talvez tenha sido inconscientemente por este motivo que resolvi colocar as fotos mais bonitas que tenho com meu marido, na porta da minha geladeira, que fica praticamente na sala. Selecionei fotos do casamento, um poema que ele escreveu que eu amo e umas fotos de uma viagem. Todas com uma imagem perfeita, com o céu mais que azul e um mar de dar inveja ao céu! Todas mostram momentos felizes que vivemos.

Mas será que alguém poderia parar em frente à minha geladeira e começar a mesma divagação que fiz com as fotos alheias achando que somos um casal exemplo, com uma vida perfeita, sem problemas, por causa da qualidade daqueles retratos? Creio que sim. E, também acredito, que seja apenas uma questão de exercício para que chegue o dia em que as fotos "exemplares" não significarão mais do que apenas uma boa imagem para mim.

Aquela história de que a grama do vizinho é sempre mais verde distorce a visão do que realmente é seu. Em algum lugar do nosso DNA foi implantado um sentimento, seja pela criação, seja pelo mundo capitalista, de que o que é do outro sempre tem mais valor. Esta reflexão das fotos nunca mudou meu amor pelo meu marido, mas deixei que ela plantasse uma possibilidade de que o que os outros têm é melhor. Triste.

Hoje, um pouco mais livre e madura, consigo parar diante das nossas fotos na geladeira e me perder no tempo. Mesmo sabendo de todas as dificuldades, discussões e dissabores pelos quais passamos, nas fotos, vejo um casal feliz, apaixonado, com sonhos, e com apenas um defeito: tirar poucas fotos!



Foto tirada pelo celular de um amigo (Nina ou Sal) num dos momentos mais especiais da nossa vida: pela primeira vez, entrando no nosso apartamento! Fiz questão de postar essa foto pois reflete bem nosso "universo fotográfico": pouca qualidade, mas sem deixar a desejar nem um pouco no valor emocional!

6 comentários:

Eduardo Acacio disse...

Esta foto ... trás algo sensacional "FELICIDADE INCONDICIONAL E TOTAL".
Me fez lembrar de quando eu pintava meu apto que tinha acabado de comprar ... que sensação boa !!!

Super Abraços !!!

Ainá Vietro disse...

Querida

Pode ter certeza que isso não acontece só com você. Me identifiquei totalmente com a tua postagem. Também me perco em fotos, como você faz.
Essa imagem de vocês dois está muito linda! Um sonho realizado, né?
Um beijo enorme!!!

Fabiana disse...

Eu e meu marido também não somos de tirar muitas fotos,mas somos muitos felizes,adorei o post e me indifiquei muito.

Beijos

Sua foto e linda reflete a felicidade total.

Antonio C R Colucci disse...

Ju, muito interessante esse seu pensamento, antes do Diego tínhamos poucas fotos, porém, a partir da gravidez forma mais de 1000 fotos por mês até os 2 anos e pouco. Esse último mês que diminui mas é absurdo!
Prepare-se que o @bbqcorre vai mudar isso!
Beijos
Colucci
@antoniocolucci

Cris Osis disse...

Agora sim,até que enfim, tomei vergonha e vim postar aqui! Não conseguia postar aqui porque não tinha atualizado minha conta do Google!:(
Jú! Nós também não tiramos quase nada de foto juntos, tenho que ralar pra achar alguma decente. Isso porque não é por falta de máquina. Também acho que com a chegada do Baby e com uma futura jornalista em casa com certeza vai ter bastante fotos!

Bjinhos mil da cris!!!

Meninas e Boas Idéias disse...

Ju,
Delícia de texto e para ser lido e relido várias vezes... É o velho dilema de acreditar que o jardim do vizinho é mais florido é mais cheio de vida. Acontece com todo mundo e comigo também.

A grande questão é ativar o nosso filtro, ir no fundo de nós mesmos para ver que o melhor é cuidar de quem temos! Nem sem sempre aqueles sorrisos largos das fotos na Polinésia são sinceros! bjo grande!

Carol Borges
@carolamborges