quarta-feira, 7 de abril de 2010

Cada medo tem o seu dia

Estou a bordo do vôo Webjet 6759, de Curitiba com destino para São Paulo, aeroporto de Guarulhos. Sem medo de voar. Hoje é 07 de Abril, dia do jornalista, quarta-feira, e eu não deveria estar aqui!

No final de semana que passou, minha melhor amiga, Nina, se casou com meu cunhado, Jadson, em Curitiba. Pensando em unir o útil ao agradável, me ofereci para um serviço de ergonomia da empresa para quem presto serviços, na cidade de Araucária, 15km do centro da cidade que hoje deixo para trás.

O casamento foi lindo! Cheguei na quarta-feira passada para exercer um pouco o papel de madrinha! Desse dia até sábado, vivenciei muitos sentimentos da minha até então futura cunhada, muitos dos quais compartilhei no fundo do meu coração, afinal, meu cunhado é meu marido escrito em muitos defeitos e valores!!! E no sábado, esses sentimentos levaram a um desfecho lindo no casamento! Nunca vi um voto mais sincero e cheio de esperança, cumplicidade e amor do que o desses dois queridos! (Assunto para um próximo texto, com certeza, se minha cunhas permitir!).

A cerimônia foi em uma chácara. O sol resolveu dar as caras na hora certa, mas os borrachudos tiveram a mesma idéia! Ao final de tudo, minhas pernas e pés tinham sido devorados por esses mosquitinhos miseráveis. Mas achei que não passaria de uma coceira a importunação deles!

No domingo à tarde, meus pés começaram a inchar, especialmente o esquerdo. O que significou muita dor e impossibilidade de colocá-lo no chão já no domingo à noite, frustrando meus planos de iniciar o trabalho em Araucária na segunda-feira seguinte, às sete da manhã. Consultei um médico amigo da família da Nina no domingo e nessa mesma noite iniciei o tratamento com Celestamine e Nisulid.

Seguindo o que o médico havia dito, meu pé melhorou apenas na terça-feira de manhã, quando entrei em contato com a empresa para iniciar os trabalhos em Araucária. Depois de alguns acertos de logística, no final da tarde de terça-feira, os pais da Nina me deixaram no hotel Colônia, em Araucária. Ficaria até sexta-feira, tempo talvez insuficiente para todo o trabalho a fazer por lá. E foi aí que tudo desandou...

Chegando ao hotel, meu coração gelou. Seriam mais três dias e três noites longe de casa e longe de qualquer conhecido. Mas, afinal, eram apenas três dias. O hotel oferecia um café-da-manhã simples: pão com presunto e queijo e café com leite. Aí meu estômago deu as mãos ao meu coração e gelou junto! Além de não tomar leite, tenho muita fome pela manhã, e acho que o que temo muito no mundo é passar fome. Não é por nada que sou conhecida como sendo "magra de ruindade!". O jantar era em um refeitório fora do hotel, por 10,00R$, com buffet com pratos variados. "Ok!", meu estômago pensou!

Ao abrir a porta do quarto, de cara visualizei 3 beliches, 1 armário, 1 frigobar e 1 banheiro com uma ducha maravilhosa! Mas, meus planos para fazerem o tempo passar mais rápido, envolviam a confecção de relatórios de outros trabalhos. Mas não havia mesa ou escrivaninha no quarto. O jeito era arranjar um lugar ao chão, próximo de uma tomada.

Não sei dizer se foi café-da-manhã, se foram os beliches, se foi o fato de só ter homem hospedado no hotel (esse hotel atende aos funcionários terceirizados das empresas de Araucária, pólo petroquímico da região). Ou se foi o fato de estar longe das únicas pessoas que eram meus conhecidos no estado do Paraná. Ainda nem sentia tanta falta de casa. Não sei mesmo dizer o que foi, mas sei que caí num choro copioso por horas... Meus queridos amigos do Twitter tentaram me animar, e até me incentivaram quando disse que queria fugir!!! (Quando envolve sair correndo, eles dão o maior apoio!!!). Tentei cair no sono, mas um desespero tomava conta de mim, e me fazia chorar e soluçar cada vez mais. Pedi a ajuda de Deus. Tentei raciocinar que 3 dias não seriam difíceis de superar. Tentei pensar profissionalmente. Tentei lembrar dos 6 meses que passei em Joinville, SC, quando ficava 1 semana em Joinville alternada com uma semana em casa....

(vou ter que desligar, procedimento de pouso)

(...depois de um pouso meio balançado por causa do tempo feio, estou no Café Balloon pra esperar o ônibus pra Congonhas)

...mas nada funcionou. A única coisa que me acalmava era a idéia de voltar pra casa.

E naqueles momentos, no chão do quarto do hotel, eu tinha certeza de que quando estivesse aqui, em São Paulo, ficaria na dúvida de que poderia ter superado os três dias em Araucária, independente de hotel, de café-da-manhã ou de qualquer outro fator. De fato, me passa pela cabeça isso. Me envergonho de pensar que não consegui vencer esse medo que nem sei de onde procedeu. Me envergonho de assumir publicamente que fugi de um desafio, que desviei de um obstáculo, que me acovardei por causa de uma assombração que nem sei descrever o que era. Mas o fato é que hoje estou aqui, em Guarulhos, a apenas algumas horas de casa, e estou muito feliz!

Antes de regressar, enviei um email para a minha chefe, que, graças a Deus é muito humana, e corajosamente expliquei a situação assumindo a minha limitação. Com as devidas desculpas, dispus o meu mais alto profissionalismo para trabalhos em São Paulo, cumprindo prazos e confeccionando relatórios com qualidade. Isso é o que eu posso oferecer hoje.

Já foi a época de trabalhar fora de casa. Já foi a época de chorar por uma semana em um quarto de hotel, em outro estado, de saudades de casa. Já foi a época de aprender a me virar em uma cidade que não conhecia, descobrir onde comer, descobrir como (sobre)viver longe de todo conforto da minha vida em São Paulo, na casa dos meus pais. Já foi a época de conseguir passar esses 6 meses longe de casa a trabalho, e já foi a época de vencer todos os medos que envolveram essa fase!

Hoje, casada há quase três anos e meio, e pensando em aumentar a família, não quero mais pensar nesse desafio. Não quero pensar em "evoluir" vencendo esse medo de ficar longe de casa. Essa fase já passou. Quero evoluir vencendo o medo de ser mãe, vencendo o medo do parto, vencendo o medo das contas e vencendo o medo do futuro desconhecido que espera o meu relacionamento com meu maravilhoso marido depois que não formos mais apenas dois.

Existe tempo para tudo sob o sol, já dizia Salomão. E hoje, aprendi algo que nunca ouvi falar: também existe o tempo para deixar os medos vencerem. E tempo de escolher quais medos superar. Tempo de desviar de obstáculos, tempo de voltar atrás, tempo de escolher novos caminhos, tempo de desistir.

E hoje eu escolho novos medos! Hoje vou vencer o medo de escolher ser mãe e tudo o que envolve isso! Quem sabe daqui a 9 meses não venço alguns medos a mais?

8 comentários:

Claudia disse...

Tudo tem seu tempo mesmo Ju... quem diria que com quase 50 anos eu estaria aqui, longe de todos os meus queridos, parentes e amigos,e às vezes,até sentindo vontade de voltar prá casa que não mais existe. Você teve coragem de não ser o que todos esperavam que você fosse, agora vc pode se soltar sem a preocupação com o que os outros vão pensar se você fizer tal coisa ! Bingo ! Sem medo de ser feliz ! Lembra ?
Bjão Claudinha


b

Alessandra disse...

Ju,

Você mostrou que é a pessoal mais normal do mundo. Quem nunca chorou, sentiu medo, jogou tudo para o alto?
Estou torcendo para que em breve, espero que seja bem breve, os twitersrun ganhem um ou uma mascote.
Bjs Alê

Rê(nata) disse...

Lindona, amei o texto!
Esses medos todos que você tem, eu também tenho. O importante é assumir isso e saber encarar e respeitá-los.
A vida é assim: a gente vai aprendendo a sambar com o samba!
E você não tem medo de encarar nem de assumir, isso é uma virtude que muitos não tem.
Cada dia é um dia... um passinho depois do outro!!!
Estou aqui para o que você precisar e, se quiser conversar sobre os "nossos" medos também!

Yara Achôa disse...

Ju, linda!
Você é super corajosa, isso sim... Eu não tive tempo de ter medo de escolher ser mãe. Quando vi, já não dava para ter medo. Mas lembro do medo que tive quando de três, tornamo-nos dois - ou duas. E lembro do medo que tive quando uma vez em casa, apenas nós duas - eu e minha filha -, vi uma barata! E pensei: é a barata ou eu. Felizmente eu venci, hehe. Sabe, filho torna a gente muito mais corajosa. A vida torna a gente mais corajosa. E só vivendo, avançando e recuando, que a gente aprende. Sou su fã! Super beijo,
Yara

Pati Gomes disse...

Jujuba,

O seu texto expressa o que todos nós, sem exceção, passamos: dúvidas, medos, decisões que temos que tomar. Esses sentimentos que nos tornam humanos, temos que ter medo! E temos que ter a sabedoria e o discernimento de saber avançar e saber assumir os nossos receios, de mudar nossos rumos.
A atitude que você teve foi de uma coragem imensa e muito difícil!
Portanto, você foi uma medrosa vencedora! Que venham esses medos em forma de Jujubinha ou de Jotinha!
Beijo grande!

Antonio C R Colucci disse...

Oi Ju,
Acho que o Diego vai ter um amigo ou uma namorada em breve. LEGAL!
Todos esses medos fazem parte do viver. Quem fala que não tem, tá mentindo.
Se precisar de dicas sobre bebês e fraldas é só chamar.
Beijos para a dupla, ou o trio.
Colucci
@antoniocolucci

Fabiana disse...

Ju,como você bem disse tem tempo pra tudo, e se você acha que não pode mais continuar a ficar longe de sua casa e das pessoas que ama,isso não mostra que você tem medo e sim coragem,tomar uma decisão mostra que somos corajosas! Eu estava em um emprego que me pagava muito bem,mas estava me matando por dentro,não estava mais feliz e sabia que não iria chegar a lugar nenhum mais,optei por largar e ser feliz de uma outra forma...

Lindo ralato e estarei na torcida...
Beijos
Fabi =D

lipeimoveis disse...

Olá Minha Amiga!

Passei a minha vida toda pensando que não devo fugir superar o medo era sinônimo de vencer. Hoje estou no escritório, um calor insuportável lá fora e um frio "ar-condicionadesco" apavorante aqui dentro. Quem diria? O casal de amigos com quem eu passei boa parte de meu amadurecimento continua me ensinado, mesmo longe, aprendi 2 coisas hoje, a segunda é: Tenha amigos daqueles que mesmo quando não sabem, estão dando bons conselhos!

Beijo GRANDE JU