sexta-feira, 30 de abril de 2010

Mulher em fúria..em frangalhos


Para começar a tentar engravidar, precisei parar de tomar um medicamento controlado chamado Lamotrigina. Tomava uma dose relativamente baixa (100mg). Fui diagnosticada com o Transtorno Afetivo Bipolar há uns 4 anos. Não tive grandes problemas na minha vida devido a essa doença pois antes mesmo de descobrí-la, eu já fazia terapia por opção. Parei o medicamento por orientação da minha psiquiatra há um mês, seguindo todo o processo de desmame. A princípio senti apenas tontura da abstinência, mais nada. Mas nessa semana, parece que toda a falta do remédio no meu organismo acumulou e começou a se manifestar.

Estou super irritada. Qualquer coisa é motivo para eu me descontrolar. Meu humor está péssimo. Minha cara amarrada o tempo todo. Um fato que normalmente seria super irrelevante para eu me sentir afrontada ou ofendida, está causando estragos na minha mente. Pela manhã, acordo ou com um sentimento de alegria ou com um grande desânimo. Ambos sem nenhuma explicação. E é só levantar da cama que os sentimentos já tomam outra forma. Não consigo ler pois não tenho concentração o suficiente. Trabalhos que eu faria em 5 horas, demoram hoje uma semana. Carrego um peso de angústia no meu peito por onde eu vou. Tenho a sensação de que precisaria me desvincular de todos os meus reais problemas e ficar no silêncio para tentar aliviar esse peso, tentar separar o que é real do que não é, mas não consigo esse silêncio. E toda essa miscelânia, faz com que os meus problemas reais ganhem outra dimensão. O que eu aturava fica insuportável. O que eu sei que era passageiro, vira companhia constante.

A minha vida parou. Talvez já estivesse parando e isso veio apenas para acelerar alguns processos. Não estou mais satisfeita com nada. Não me acho capaz de nada. Fico até com medo do plano de maternidade que fiz. Às vezes acho que não serei capaz. Mas também às vezes penso que me fará uma pessoa melhor. Apesar de toda a insaniedade do momento, tenho deixado esses pensamentos de lado. Consigo usar o pouco do racional que ainda tenho acesso, para separar tudo o que se refere a engravidar e colocar em uma gaveta cerebral. Não estou com capacidade para pensar sobre isso no momento. Tenho plena ciência de que o que estou vivendo é fase, fruto de uma descompensação química neuronal. E em algum momento, vai passar.

Estou passando por tudo isso pois optei por querer engravidar. Sou uma grande candidata a descompensações emocionais durante a gravidez e à depressão pós parto. Infelizmente sei dessa minha condição. Mas acho que apesar de todos os meus defeitos (inconstância, geniosidade,etc) tenho uma ótima qualidade: coragem. Tenho coragem de assumir minhas deficiências, coragem de pedir ajuda e coragem para dizer quando não aguento mais. E se comecei algo, mesmo que aos tropeços, sempre tenho coragem de retomar, e não vou desistir enquanto não chegar ao desfecho.

Então, coragem!

(Já tenho consulta agendada com a minha psiquiatra e estou aguardando o telefonema dela com alguma instrução mais imediatista!)


11 comentários:

Pati Gomes disse...

Queria ter palavras sábias, conceitos científicos e médicos para te deixar menos confusa...
Mas tenho apenas um coração, que deseja que esta tempestade emocional passe, que a tranquilidade retorne, que o teu corpo continue se preparando para essa dádiva: ser mãe.
Estou de seu lado, sempre!!!! Até amanhã!!!

Di disse...

Oi Ju! Vi seu recado, gostei da iniciativa e estou pronta pra responder qualquer questão que tenha, ouvir angustias, alegrias, e loucuras ate de vez em quando. ^^ Sei o que você ta sentindo, afianl, você me achou exatamente por causa disso, certo? E, se existe uma unica coisa que posso te dizer, de antemão e sem sombra de duvidas é: é possivel! Volte ao tratamento, volte aos remedios, deixe a crise melhorar pra você poder pensar, e vamos conversar sim. Vai la no blog, escurracha ele do inicio ao fim quando conseguir voltar a ler, e pergunte, fale, conte. Estamos ai! To te seguindo tb! Beijos, Di

Ju Cavani Marcos disse...

Pati e Di, muito obrigada pelas palavras! É bom contar com amigas nessas horas de loucura!!!
Estou certa qto à gravidez,agora o problema é a decisão: tomar ou não remédio. Mas isso fica pra outro post!
Bjão!

Roberta disse...

Ju,
Também enfrento vários dilemas semelhantes aos seus!!!
Há poucos anos descobri ser portadora do transtorno bipolar e esse diagnóstico fez uma grande revolução em mim!
Apesar de eu ser médica e conseguir compreender muito bem a fisiopatologia da doença, é muito difícil me colocar na condição de paciente, ter que usar várias medicações todos os dias, apresentar uma grande oscilação de humor, ter dúvidas e conflitos frequentes sobre o rumo que quero dar para minha vida!!!
Sei exatamente como vc se sente!!!
Já passei por momentos muito difíceis, onde eu achava que não ia conseguir superar os obstáculos, mas tenho uma força muito grande e muita fé em Deus...
Hoje, acredito que esta doença serviu como uma grande possibilidade de amadurecimento para mim, para que eu pudesse me conhecer melhor e dar o melhor de mim para os ouitros.
Espero que vc seja muito feliz e consiga realizar os seus sonhos, pois a doença é apenas um "detalhe" e não pode ser maior do que nós mesmas e nossos sonhos.
Um beijo!

Unknown disse...

Oi. Tb tenho transtorno bipolar e tb parei a lamotrigina (225mg), por ordem do psiquiatra... tive as tonturas e esta vontade de silencio e parar com tudo. O tempo me atropela todos os dias... sei q tenho uma doença séria, mas tb sei q muitos destes sintomas de agora sao fruto da retirada da medicação, não da doença... acho q sou mais ativa e "energizada" com o lamictal... mas tenho as mesmas crises e, sinceramente, sinto como se estivesse passado meus ultimos 8 anos sempre chapada. Tenho uma filha, e acharia bem mais facil criar ela sem altos e baixos... por ela comecei a medicação e foi por ela tb q resolvi parar e reavaliar c o medico...

ana soletti disse...

Oi. Tb tenho transtorno bipolar e tb parei a lamotrigina (225mg), por ordem do psiquiatra... tive as tonturas e esta vontade de silencio e parar com tudo. O tempo me atropela todos os dias... sei q tenho uma doença séria, mas tb sei q muitos destes sintomas de agora sao fruto da retirada da medicação, não da doença... acho q sou mais ativa e "energizada" com o lamictal... mas tenho as mesmas crises e, sinceramente, sinto como se estivesse passado meus ultimos 8 anos sempre chapada. Tenho uma filha, e acharia bem mais facil criar ela sem altos e baixos... por ela comecei a medicação e foi por ela tb q resolvi parar e reavaliar c o medico...

Viperstormway disse...

Olá ! Você conhece o lithium orotate da adanced research? É um mineral em sua forma de natural muito diferente do carbo litio. Pesquisa na web. Estou parando a lamotrigina estou tomando 25mg e semana que vem ja vou diminuir para 12.5mg. Deus te ama !

Viperstormway disse...

Ele não é tóxico. É natural e atravessa a barreira do cérebro 5x mais rapido que o carbo litio e não tem efeitos colaterais pois é natural. Tudo de bom !

Viperstormway disse...

Ele não é tóxico. É natural e atravessa a barreira do cérebro 5x mais rapido que o carbo litio e não tem efeitos colaterais pois é natural. Tudo de bom !

Viperstormway disse...

Olá ! Você conhece o lithium orotate da adanced research? É um mineral em sua forma de natural muito diferente do carbo litio. Pesquisa na web. Estou parando a lamotrigina estou tomando 25mg e semana que vem ja vou diminuir para 12.5mg. Deus te ama !

Denise Juliana disse...

OiJu!tbm tenho TAB, vc descreveu muito bem como funciona a nossa vida. Tenho andado muito insegura em relação a decisões. Dps do diagnóstico,vivo a me examinar com medo de tomar decisões em fase de "LOUCURA". Tomo lamitor 200mg que me deixa mais estabilizada,porém um pouco irritada. Entretanto prefiro conviver com a irritabilidade do que com a depressão. Na experiência de me livrar do lamitor fiquei tremula, extremamente agitada e com insônia. O TAB é uma doença silenciosa e perigosa que nos deixa vulneráveis à diversas exposições.Mas tenho certeza de que Deus e uma boa equipe de profissinais , guiados por ele,lhe ajudarão no desempenho da nobre decisão de ser mãe. Felicidades!!!