sábado, 1 de maio de 2010

Decisões difíceis - medicamento para bipolar X gravidez

Ontem consegui passar em consulta com a minha psiquiatra. Deu pra ver nos olhos dela que situação difícil é a minha. Ela me falou que de todos os distúrbios psiquiátricos, o que dá mais trabalho quando a paciente quer engravidar, é o Transtorno Afetivo Bipolar (TAB). Acontece que os remédios para esquizofrenia, depressão e afins, não afetam o bebê. Mas os remédios para TAB afetam. Existe uma classificação dos remédios (A, B, C, D e X) com relação à gravidez que é a sgeuinte:
  • Tipo A: são aqueles indicados para grávidas, por exemplo, o ácido fólico.
  • Tipo B: tem estudos que demonstram que não há riscos para o feto (estudo em animais), também se aplica aos medicamentos que apresentaram algum risco para o feto nos estudos com animais, mas em humanos não demonstraram esses riscos. Ou seja, são medicamentos que devem ser prescritos com cautela.
  • Tipo C: estudos em animais têm demonstrado que esses medicamentos podem exercer efeitos teratogênicos ou é tóxico para os embriões, mas não há estudos controlados em mulheres ou não há estudos controlados disponíveis em animais nem em humanos. A prescrição desse medicamento é com risco.
  • Tipo D: existe evidência de risco para os fetos humanos, mas os benefícios em certas situações, como por exemplo, nas doençass graves ou que põem em risco a vida e para as quais não existe outra alternativa terapêutica, podem fazer com que o uso durante a gravidez esteja justificado, apesar dos riscos. A prescrição desse medicamento é de alto risco.
  • Tipo X: estudos em animais ou humanos têm demonstrado que o medicamento causa alterações fetais ou há evidência de aumento no risco para o feto com base na experiência em humanos ou ambos. O risco supera claramente qualquer possível benefício. Considera-se os medicamentos e substâncias incluídos nessas duas categoria de prescrição como sendo de Perigo.
O medicamento que eu usava se enquadra entre C e D. Então, as opções mais seguras agora, mediante à volta dos sintomas, é ficar sem medicamento algum por 3 meses, fase mais crítica do desenvolvimento do feto, ou tomar Haldol, que é um neuroléptico, antigo, que não afetará meu bebê. Mas existe grande possibilidade deste último causar diversos efeitos colaterais bem bizarros como rigidez muscular (dificuldade de mexer os braços), tiques, sensação de inquietação nas pernas, além de me deixar "abobada". Se optarmos (eu e o J, meu marido) que vou tomar o Haldol, a idéia da psiquiatra é iniciar a medicação com dose muito baixa para evitar ao máximo essas reações.

Passei na farmácia ontem e comprei o medicamento. É um medicamento bem acessível financeiramente falando. Em torno de R$4,00. Ontem à noite, chequei a bula, e não gostei nada do que vi. Nunca faça isso! Na bula tem até "morte súbita" como reação adversa. Mas só com o que a psiquiatra já havia dito que poderia acontecer, foi suficiente para me deixar na dúvida.

Em uma pesquisa na internet sobre grávidas e bipolares encontrei um blog (http://maebipolar.blogspot.com/), que a escritora passou pelas mesmas situações que vou passar. Ela optou ficar sem medicamento e sobreviveu! Além disso, respondeu logo ao meu contato e se colocou à disposição para me ajudar. Valeu, Di!

Existem algumas coisas que posso fazer, que sei pela experiência que tenho em ser bipolar, que pode ajudar. E pelo que tenho visto, é realmente algo para bipolar:

  1. Estabelecer uma rotina e seguí-la. Essa rotina significa ter hora para acordar, para trabalhar, para comer, para voltar pra casa, para fazer atividade física, ou seja, controlar o seu tempo. Não precisa ser maníaca nisso (?!), mas nós bipolares, precisamos ter controle sobre o tempo, se não, ele passa e nem vemos. Temos a forte tendência de nos perder.
  2. Realizar atividade física com frequência. Faço Pilates e antes corria Me alertaram que não seria legal correr nas primeiras semanas de gravidez, ou seja, parte do período que você nem sabe que está grávida. Então, parei de correr, mas vou voltar a andar, pois isso ajuda muito na liberação de endorfina, o que auxilia a diminuir o mal estar e as loucuras do bipolar.
  3. Dormir bem! Essa dica foi da Di. E realmente, não só bipolar, mas qualquer pessoa, precisa prezar por dormir pelo menos 6 horas, seguidas. Isso ajuda na recuperação de todo o organismo. É a hora da faxina! Os músculos se regeneram e o sistema nervoso também trabalha um bocado fixando informações e outras coisinhas mais.
  4. Ser compreendido (ou pelo menos amado!) pelas pessoas à sua volta! Essa é a principal dica. Conviver com Bipolar é uma grande aventura! Você terá não só um(a) filho(a), um esposo(a), um(a) irmão(ã), cada dia ele(a) será uma novidade! Então, é imprecindível que a pessoa com quem você convive tenha um conhecimento mínimo sobre TAB, e você precisa saber indicar quando o seu comportamento está sendo "regido" pelo transtorno. Saber diferenciar manhas, tpm e indignações com a vida de comportamentos sem fundamento, ou seja, movidos pelo transtorno é primordial.

Então, vamos lá! Por enquanto, sem medicamento.
Em breve, quando minha concentração melhorar vou organizar o outro blog, só sobre gravidez e bipolar.




8 comentários:

Di disse...

Oi Ju! So pra falar pra você não ter medo dos remedios não ta! rs bula e uma coisa interessante que mexe com nossa imaginação e medos. E, na verdade, e bom você experimentar esses remedinhos como o haldol e outros ansioliticos que você possa vir a ter que fazer uso, mesmo que esporadicamente, durante uma gravidez, ainda na fase de trenante. Assim, ja vai saber o que esperar como efeito, e podera identificar diferenças importantes durante a gestação, que podem tornar o remedio recomendado ou não pra você. Por exemplo, comigo: eu nunca pude tomar antidepressivos por muito tempo, pois me dava virada maniaca, mas era coisa de 1 mes tomando depois, e o mais suave nisso pra mim foi a sertralina. Durante a gravidez da Rebeca tive um problema e comecei a ficar meio deprimida, então minha medica pediu que eu tomasse a sertralina por umas 2 semanas pra eu voltar ao pique, mas sem virar. tomei 3 dias e tive que prar pois ja tinha tido o efeito desejado.Entendeu?

beijo, to aqui pra te ajudar no que puder.

Ju Cavani Marcos disse...

Di, sua sugestão é super bem-vinda! Vou pensar com carinho nisso!!! Bula dá medo mesmo!!! Abri o blog novo, passa lá: http://gravidaebipolar.blogspot.com
bjs

Roberta disse...

Oi,
também sou portadora de transtorno bipolar e faço uso do Depakote ER (divalproato de sódio) e venlafaxina. Descobri que estou grávida de seis semanas e resolvi, por conta própria diminuir as doses dos medicamentos até conversar melhor com minha psiquiatra e obstetra pra ver a melhor conduta...
Já estava usando ácido fólico há cerca de dois meses e a psiquiatra havia dito que isso era o bastante para evitar má-formações fetais, mas fico muito apreensiva!!!!
Penso em suspender o tratamento, mas tenho medo dos efeitos da abstinência, pois tenho enxaquecas e tonturas até quando passo muito do horário de tomar as medicações!!!

Veneno Bipolar disse...

Ju,
Já li seu blog várias vezes e ontem comecei o meu.
Fui diagnosticada há 3 anos mas apresento os sintomas desde a infância. Hoje sou muito bem casada. Ele me apoia e me ajuda nas crises. Um dos meus grandes sonhos era ser mãe, mas hoje me questiono profundamente sobre isso. Não só por causa da medicação, mas também pelo depois, pela criação.
Não quero fazer meu filho sofrer, não quero obrigá-lo a crescer num ambiente hostil como eu cresci. Como será nos meus (longos) períodos de depressão?
Se meu cachorro já se deprime, imagina uma criança? Assistir sua mãe ficar na cama dias a fio. Ou gritar com seu pai como uma louca? Meu Deus, isso me apavora!
Me apavora também os 25% de chance de ser bipolar que meu filho terá...

Estou num dilema sério e pesado. Enquanto não me resolvo sigo escrevendo e lendo.
Volte a escrever... tá?
Beijos
http://venenobipolar.wordpress.com

Clara Danielle disse...

Oi ju...queria muito falar com vc saber como foi...faço tratamento a quase dois anos... tenho uma filha de 2 anos...e gostaria de engravidar..

lina geraldo disse...

Ola a todas, sou bipolar e tomava 2 depakines de 500mg quando soube que estava gravida de 5 semanas, interronpi de imediato toda a medicaçao pois tambem tomava seraquel de 400mg .
E posso entao dizer que foi muito duloroso e complicado tive ate mesmo de cama, com indesposiçoes, sem força no corpo, diarreias, dor de cabeça em fim horrivel nas apenas dorou cerca de 7 dias todos estes sintomas ...chamada a resaca de nao tomar a medicaçao...
De seguida vem o descontrolo sobre o sistema nervoso que cabe a nos tentarmos procurar algo que nos traquilize para nos conseguirmos controlar e vivermos um dia de cada veź sem anciadades estou agora de 3 meses e sintome otima existem dias menos bons mas ha que saber controlar , ate agora os medicos nao acham nada de anormal no meu bebe e acredito que tudo ira correr bem bj

lina geraldo disse...

Ola a todas, sou bipolar e tomava 2 depakines de 500mg quando soube que estava gravida de 5 semanas, interronpi de imediato toda a medicaçao pois tambem tomava seraquel de 400mg .
E posso entao dizer que foi muito duloroso e complicado tive ate mesmo de cama, com indesposiçoes, sem força no corpo, diarreias, dor de cabeça em fim horrivel nas apenas dorou cerca de 7 dias todos estes sintomas ...chamada a resaca de nao tomar a medicaçao...
De seguida vem o descontrolo sobre o sistema nervoso que cabe a nos tentarmos procurar algo que nos traquilize para nos conseguirmos controlar e vivermos um dia de cada veź sem anciadades estou agora de 3 meses e sintome otima existem dias menos bons mas ha que saber controlar , ate agora os medicos nao acham nada de anormal no meu bebe e acredito que tudo ira correr bem bj

lina geraldo disse...

Ola a todas, sou bipolar e tomava 2 depakines de 500mg quando soube que estava gravida de 5 semanas, interronpi de imediato toda a medicaçao pois tambem tomava seraquel de 400mg .
E posso entao dizer que foi muito duloroso e complicado tive ate mesmo de cama, com indesposiçoes, sem força no corpo, diarreias, dor de cabeça em fim horrivel nas apenas dorou cerca de 7 dias todos estes sintomas ...chamada a resaca de nao tomar a medicaçao...
De seguida vem o descontrolo sobre o sistema nervoso que cabe a nos tentarmos procurar algo que nos traquilize para nos conseguirmos controlar e vivermos um dia de cada veź sem anciadades estou agora de 3 meses e sintome otima existem dias menos bons mas ha que saber controlar , ate agora os medicos nao acham nada de anormal no meu bebe e acredito que tudo ira correr bem bj